Panorâmica São José dos Campos FaceBook do POrtal São José Twitter do Portal São José
Home | Cadastre sua Empresa | Acessos | Fotos da Região | Créditos                               Terça, 20 de Novembro de 2018
Acesso à página principal
Logotipo Portal São José

Links Úteis

Salas de Cinema
Cinemark
Kinoplex


Consulte seu CPF
Legislação Federal e Estadual
Trânsito em São Paulo
Clima


Criação e
Desenvolvimento



Tel. 12 3923.4600
Av. Dr. Mário
Galvão, 78
Centro - SJC/SP
12209-004
BUSCA DE EMPRESAS NO PORTAL >>  
Acesse também: Jacareí
BUSCA DE CONTEÚDO DO PORTAL >>  
O conteúdo publicado não expressa necessariamente a opinião do Portal e é de total responsabilidade do autor.

Menos mata, menor deslocamento: Em matas fragmentadas, dispersão espacial do mico-leão-dourado cai de oito para 2 km


21/06/2018 ( Caderno: Meio Ambiente )

O mico-leão-dourado, um dos símbolos da biodiversidade da Mata Atlântica, sofre com a fragmentação das florestas e tem sua movimentação e fluxo gênico reduzidos. É o que reporta um estudo recém publicado na revista “Biological Conservation”, uma das principais revistas de conservação no mundo. O estudo ocorreu na Bacia do Rio São João, estado do Rio de Janeiro, e foi realizado porpesquisadores da UENF, Associação Mico-Leão-Dourado (AMLD), UNESP e UFSCar.

O mico-leão-dourado, Leontopithecus rosalia, é um primata endêmico da Mata Atlântica. Sua área de ocorrência é restrita à remanescentes florestais na Bacia do Rio São João, que fica no estado do Rio de Janeiro, em uma região altamente fragmentada. A espécie quase foi extinta na década de 80, quando menos de 400 indivíduos ocorriam em vida livre. Hoje, há mais de 3200 indivíduos vivendo na natureza, graças a um projeto de conservação atualmente liderado pela AMLD, UENF e seus parceiros.

Publicidade

Para salvar a espécie da extinção foram realizadas as seguintes ações: (1) a reintrodução de micos nascidos em cativeiro para a vida livre e (2) a translocação de grupos sociais isolados em fragmentos florestais no litoral do Rio de Janeiro para a Reserva Biológica da União. Até momento, porém, permanecia uma questão em aberto que dificultava o avanço dos programas de conservação: O mico-leão-dourado é capaz de dispersar por áreas abertas, tais como estradas e pastagens?

“Entender como o mico-leão-dourado se dispersa através da paisagem é importante para a elaboração de medidas de restauração florestal”, comenta Andréia Magro Moraes, pesquisadora da UENF e pós-doc da UNESP, responsável pelo estudo. “Por diversas vezes, a implementação de corredores florestais que facilitam o movimento dos animais pode demandar um alto investimento financeiro e a desão social. Por isso, é importante que os elementos da paisagem que representam barreiras para a dispersão de uma espécie, sejam identificados”, complementa Moraes.

Do mesmo modo, a distância em que um elemento da paisagem impede a dispersão, também deve ser quantificada. Uma vez restabelecida a conectividade entre os remanescentes florestais, os organismos são capazes de se dispersar com mais facilidade na paisagem, garantindo o fluxo gênico interpopulacional e permitindo sua persistência na região.

Ferramentas e metodologia de pesquisa
Para entender como o mico-leão-dourado se dispersa em uma paisagem fragmentada, o estudo usou ferramentas de genética da paisagem e medidas de fluxo gênico. O DNA de 201 micos-leões-dourados de 48 grupos sociais foi extraído de amostras de pelos e investigado. A coleta das amostras de pelos – uma tarefa que exige muita experiência, pois envolve o contato direto com os animais na natureza – foi realizada por profissionais experientes da AMLD. “Nesses 30 anos temos realizado muitos estudos com o mico. É gratificante ver que nossas milhares de horas de campo tem sido recompensadas com os avanços científicos e novas oportunidades para a espécie”, comenta Andréia Martins especialista de campo da AMLD.

As amostras de pelos foram enviadas para o Laboratório de Biodiversidade Molecular e Conservação da UFSCar, onde foram extraídos todos os DNAs para possibilitar as análises genéticas.“Caracterizar geneticamente os micos nos permite conhecer as semelhanças e diferenças de suas populações. Essas semelhanças e diferenças nos dão um indicativo de como esses animais estão se movendo ou não pela paisagem”, reporta Pedro Galetti, professor da UFSCar e responsável pelas análises genéticas.

Até onde o mico consegue chegar?
Após caracterizar geneticamente os animais, foram realizadas as análises espaciais. Utilizando um arsenal de mapas, imagens e ferramentas computacionais sofisticadas como o LSCorridors (do inglês “Landscape Corridors”), foram simulados corredores ecológicos para compreender como os micos estão se dispersando pela Bacia do Rio São João. Com o resultado, foi observado que os micos-leões-dourados se movem mais frequentemente dentro de seu território e vizinhança por distâncias em torno de 2 km. Porém, se a paisagem estiver bem conectada e for permeável para seu movimento, eles podem alcançar longas distâncias de dispersão, por volta de 8 km.

“Temos observado que a conectividade da paisagem é um dos fatores mais importante para a conservação da biodiversidade em regiões fragmentadas” comenta Milton Ribeiro, do Laboratório de Ecologia Espacial e Conservação da UNESP, e também autor do artigo. “Desta forma, se estamos juntos na luta pelo mico, temos que fazer muito mais, como restaurar conexões importantes entre os principais remanescentes e garantir que as principais estradas que cruzam a região permitam o fluxo de indivíduos” complementa Ribeiro.

Além da estrutura da paisagem, o manejo populacional realizado pela AMLD, que inclui medidas de reintrodução e translocação, também influenciou a estrutura genética populacional do mico-leão-dourado. Assim, os resultados dessa pesquisa indicam que o fluxo gênico mediado pelo homem (manejo) pode aumentar a variabilidade genética interpopulacional. No entanto, se as populações de micos permanecerem isoladas, devido aos efeitos da fragmentação do habitat, todos os esforços de conservação empenhados para garantir sua viabilidade populacional ao longo do tempo podem ser perdidos. Barreiras para a conectividade da paisagem tais como estradas com intenso tráfego, rios, perímetros urbanos, estradas pavimentadas simples, pastagens, agricultura, entre outros fatores, têm dificultado a dispersão dos micos-leões dourados, nessa ordem de intensidade. Assim, é esperado que alguns elementos da paisagem afetem mais drasticamente a dispersão dos micos-leões-dourados, enquanto que outros podem permitir o fluxo de indivíduos em curtas distâncias (por exemplo, até 100 m no pasto).

Dentre as principais ameaças para o mico destaca-se a duplicação da BR-101, que já divide populações importantes de micos e de muitas outras espécies. Com sua duplicação, muito provavelmente, as populações ao norte e sul da BR-101 serão isoladas permanentemente, o que pode comprometer todo um trabalho de conservação da espécie. Em uma parceria AMLD-UENF-ICMBio e a empresa que gerencia a rodovia, foram propostas “passagens de fauna” em pontos importantes para o fluxo do mico, buscando assim, minimizar os impactos sobre aespécie.

“Cabe saber agora, se tanto o mico como outras espécies utilizarão tais passagens” comenta Carlos Ruiz-Miranda, professor da UENF e um dos principais pesquisadores do mico-leão-dourado. Atualmente, o projeto Mico-Leão-Dourado teve um projeto de longo prazo aprovado pela Petrobras,que permitirá compreender se as passagens funcionarão ou não. “Monitorar o uso dessas travessias está entre nossas principais tarefas para os próximos anos e quantificar a eficiência dessas passagens é um de nossos objetivos”, finaliza Ruiz.

O estudo contou com o apoio e financiamento da CAPES, CNPq e FAPESP.


Fonte: Agência Unesp / Foto Divulgação


  Meio Ambiente

Pesquisa apresenta perfil atual das onças-pintadas na América do Sul

E-MAILS DO PORTAL SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
Contato/Cartas: cidade@saojosedoscampos.com.br
Anúncios/Cadastros: cadastro@saojosedoscampos.com.br
Editorial: imprensa@saojosedoscampos.com.br
Criação/Arte: amorim@saojosedoscampos.com.br

Av. Dr. Mário Galvão, 78 - Centro
SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP
Telefax: (12) 3923.4600


 + Promoções
Imagem Black Friday Natura - Claudia Mendonça: Consultora Digital Natura
Imagem Black Friday Aliança Francesa São josé dos Campos!







+ História
Imagem Carnaval em São José dos campos em 1961: Barco Fenício
Imagem Imigrante Melhem Elkhouri chegou a São José dos Campos em 1949
+ Coluna Zoo
Cadastro gratuito para as castrações de cães e gatos em São José dos Campos
+ Empresarial
Senac São José dos Campos realiza atividades gratuitas para incentivar o empreendedorismo
+ Espaço do Consumidor
Imagem Operação do Procon, em São José dos Campos, combate golpes relacionados a Black Friday
Imagem Locador de imóvel reclama a imobiliária de São José dos Campos o pagamento do IPTU atrasado
+ Esporte
Imagem Judô no Tênis Clube
+ Matérias
Imagem EDP orienta sobre instalação segura de enfeites natalinos
Imagem Obra sobre a arquitetura moderna joseense comemora 20 anos. Veja fotos antigas da cidade
+ Meio Ambiente
Imagem Pesquisa apresenta perfil atual das onças-pintadas na América do Sul
+ Poesia da Arte
Por Sonia Furquim
+ Turismo Diferente
Imagem Portal São José no Sul - Parte 11: Laguna no inverno. Santa Catarina, Brasil
Imagem Portal São José no Sul - Parte 1: Gruta Nossa Senhora de Lourdes em Urubici, Santa Catarina, Brasil



 
Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados