Panorâmica São José dos Campos FaceBook do POrtal São José Twitter do Portal São José
Home | Cadastre sua Empresa | Acessos | Créditos                               Domingo, 22 de Setembro de 2019
Acesso à página principal
Logotipo Portal São José



  • Envie uma mensagem para Marcia Pavarini...
  • Outras matérias já publicadas...


    Montenegro - Um Retorno à Época Medieval
    Postado em 12/01/2011

    Márcia Pavarini
    Texto e fotos

    (Matéria publicada na revista Viaje Mais)

    É preciso citar belezas de vários países para descrever Montenegro. Imagine um lugar com praias turquesa, tão encantadoras quanto as da Grécia; exuberantes picos corrugados como os da Suíça, Canions tão profundos quanto os do Colorado, muralhas e cidadelas medievais como as da Espanha, elegantes palacetes como os de Veneza, tudo isso numa área de aproximadamente 2/3 do tamanho da Inglaterra, e o melhor, um clima mediterrâneo que, na meia estação, dá para banhar-se nas idílicas praias ou esquiar - nas montanhas - no mesmo dia.

    Localização

    Encravado entre os Balcãs e o mar Adriático, Montenegro é um oásis da tranquilidade, apesar de estar cercado por vizinhos com histórico politico conturbado: Bósnia, Servia, Kosovo e Albânia. Na fronteira com a Croácia, não se estende por mais do que alguns quilômetros. Balcãs é o nome geográfico adotado para designar a região sudeste da Europa, que engloba Albânia, Bósnia Herzegovina, Bulgária, Montenegro, Grécia, Servia e Turquia.

    Origem do Nome

    A origem do nome da nação vem da expressão eslava > “Crna Gora” que significa “Montanha Negra”, em razão da topografia da região ser excessivamente montanhosa e coberta por florestas negras. O termo “Crna Gora” deriva da palavra turca para ”montanha” e faz referencia à cordilheira dos Balcãs que se estende do leste da Servia ate o mar Negro. Os Venezianos, que dominaram a região na Idade Media, ocidentalizaram o termo que virou “Monte Negro”.

    Quem chega ao país de avião pode admirar os picos nevados, o lago negro “CrnoJezero”(olhos da montanha), e ainda, os 18 lagos do massivo Dormitor, com 2522 m – o mais alto do país - bordeado de pradarias ao meio da centenária floresta negra. A cidade de Zabljak, com acesso ao Parque, está localizada a 1456 m aos pés do Dormitor, no Parque Nacional do mesmo nome, ao norte do país.

    É nessa reserva natural do Dormitor, que a poderosa correnteza do rio Tara, chamado de “lágrima da Europa” criou, ao longo de 82 km , o segundo mais profundo canion do mundo - com 1.300 m de profundidade – só perdendo para o Grand Canyon do rio Colorado. Pela beleza da paisagem, o Parque foitombado pela UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade. Hoje, o Canion atrai turistas que viajam ao país em busca de aventura, do contato com a natureza ou do excitante rafting nas turbulentas águas do rio Tara.

    A viagem a Montenegro é um retorno à história e ao esplendor da época medieval, não só pelas paisagens como pela arquitetura das cidades costeiras, extremamente preservada, a exemplo de Kotor, um verdadeiro museu a céu aberto.

    Geografia


    O território é essencialmente montanhoso - com 60% do país acima de 1000 m de altitude - e forma uma das regiões mais acidentadas de todo o Balcãs.

    História


    Marcado por incontáveis ocupações ao longo de sua historia - gregos, romanos, bizantinos, eslavos, otomanos e sérvios, entre outros,Montenegro foi parte da AlbaniaVéneta, uma possessão da República Veneziana que ocupou a região no século 14º e 15º . Na época, o centro administrativo de AlbaniaVéneta era na cidade antiga de Kotor, o que explica a influência marcante daquele povoado.
    No século 16º, Montenegro ficou sob o jugo dos otomanos. Posteriormente reconquistada pelo exército de Napoleão, tornou-se parte do império francês até 1814, quando foi incluída ao império Austríaco. Em 1928, integrou-se à Croácia, Sérvia, Eslovênia e Bosnia quando então foi criada a República da Iugoslávia.

    Só em 3 de junho de 2006 é que Montenegro declarou sua independência total, tornando-se o país numero 192 da ONU.

    População

    Esse pequeno enclave montanhoso, com aproximadamente 680 mil habitantes (43% montenegrinos, 32% sérvios, o restante dividido entre bósnios, croatas e albaneses) carrega as marcas de uma identidade construída sobre a resistência contra o império otomano, por centenas de anos. A maioria da população (74% ) professa a fé ortodoxa, enquanto apenas 18% adota o islamismo e apenas 4% o catolicismo.

    Entrada ao país na fronteira com Croácia pela Baía BokaKotorska

    Assim que se atinge a Baía de BokaKotorsa por terra, vindo da Croácia – que fica a 60 km -o visitante fica hipnotizado pela beleza da paisagem. É como se as montanhas tivessem se partido ao meio e deixado o mar entrar por 30 quilômetros. Os picos elevam-se sobre a estreita costa protegendo a baía do severo clima do norte. Em razão disso, BokaKotorska é considerada um oásis de vegetação do mediterrâneo, com plantações de palmeiras, kiwis, mimosas, oliveiras, pinheiros, ervas medicinais entre outras. Rosas florescem nos morros enquanto continua nevando no pico das altas montanhas acima da baía.

    BaíaBokakotorskae suas vilas costeiras


    BokaKotorska está dividida em quatro pequenas baías: Hercegnovisk, Risanski, Kotorski e Tivatski. Como um colar de pérolas, uma série de pequeninas cidades medievais, alinha-se ao longo da costa. Do lado oeste da baía estão os pequenos povoados de pescadores como Muo, Percanj e Stoliv. Na parte leste as cidadelas de Dobrota, Orahovac, Risan e Perast, com edificações românicas, igrejas barrocas e mosaicos bizantinos, que são verdadeiros tesouros da história, da arte e cultura do país. Kotor e Tivat ficam a sudeste da baía. BokaKotorska é uma simbiose da beleza natural e da obra humana.


    Cada vila do litoral possui sua própria história e características. Herceg Novi é a cidade dos fabulosos jardins botânicos mediterrâneos, vila de escritores e artistas. Perast uma vila romana e de antigos estaleiros, Risan ainda conserva seus mosaicos do século 2º.  Budva, a cidade de teatros, dos festivais em pleno ar livre, com deslumbrantes praias e vibrante vida noturna.

    BUDVA – Riviera de Budva - grande beleza próxima a Kotor

    A aproximadamente 40 km a sudeste de Kotorfica a pitoresca cidade litorânea de Budva. Com uma atmosfera de cidade velha, é cercada pornumerosas praias de águas calmas e cristalinas, que são invadidas por turistas russos e ucranianos durante a alta estação. À noite em Budva o movimento é intenso. Estonteantes “strippers” ficam na porta dos bares, à beira mar, convidando os clientes para uma noitada gastronômica e etílica. Seguindo ainda a costa sudeste fica a belíssima Riviera de Budva, com a pequena cidade de Sveti Stefan, em forma de istmo, cercada por um mar turquesa e coroada por areias brancas.

    Kotor – Medievalo Ponto Alto da Vaigem

    Mas, a estrela máxima e o ponto alto do turismo em Montenegro é a cidade Medieval de Kotor. Localizada na baía de Kotorska, a 100 km de carro de Dubrovnik, e aos pés do Monte Sveti Ivan (São João) a cidade de Kotor é um antigo centro marítimo e cultural. Por séculos ele foi o cruzamento das rotas comerciais com forte influencia da Republica Veneziana.

    A cidade velha de Kotor está majestosamente preservada com sua urbanização típica da idade media, construída nos séculos 12º e 14º. A arquitetura medieval e os numerosos monumentos de herança cultural, colocaramKotor no topo da lista da UNESCO como Patrimônio Histórico e Natural da Humanidade.

    A cidadela intramuros, concebida em formato triangular - cercada por dois rios pelos lados, pelo mar à frente e a Montanha atrás - exibe um intrigante labirintode estreitas ruelas e quarteirões entre as edificações históricas, numa harmoniosa diversidade de estilos: barroco, renascentista, bizantino, veneziano. A beleza única de Kotor é expressa nas casas de pedra, palácios, igrejas, em contraste com o mar cristalino e os vertiginosos contornos das montanhas Lovcen, no horizonte, com 1749 m.

    Arquitetura, riquezas culturais e Muralhas de Kotor

    A riqueza cultural de Kotor guarda significantes monumentos históricos como; a Torre do Relógio (1602) Catedral de SvetiTrifón (1166); Igreja Sveti Luka (1195), Palácio Real (s. 17º ); Igreja da SvetaMarija (s. 12º), Igreja da Senhora da Saúde (s. 15º) e o Teatro de Napoleão (s.19).


    Kotor é uma das poucas cidades do mediterrâneo que conservam quase intactas as suas muralhas fortificadas. Com 4,5 km de extensão e até 20 m de altura, a muralha cerca a cidadela de Kotor, num formato de meia asa de borboleta, que começa na parte baixa, ao nível do mar, vai subindo morro acima, para depois descer as encostas escarpadas do Monte Sveti Ivan (Sao Joao) num abraço protetor. A fortaleza, verdadeira guardiã histórica da cidade, possui três portões, através dos quais, durante séculos, os habitantes entravam e saiam durante o dia, uma vez que à noite era fechado para evitar as invasões surpresas. Hoje, os portões são marcos da história e ícones da cidade. Por qualquer um dos três que se entre, a estrada leva ao mais famoso edifício - a Catedral SvetiTrifón , dedicada ao santo protetor da cidade com o mesmo nome.

    A porta principal da muralha dá acesso à maior e mais bela de todas as praças, a chamada Praça das Armas, onde pulsa o coração da cidade, com incontáveis barzinhos badalados, glamorosos cafés, lojas de grife, de souvenir, joalherias, antiquários, pizzarias e restaurantes, todos rodeados por edificações medievais.

    Em frente a Praça das Armas, eleva-se a torre do Relógio , erigida em 1602. Seu antigo relógio data do período da ocupação napoleônica. A torre permanece levemente inclinada, em consequência dos diversos abalos sísmicos que ocorreram na região.

    O setor mais antigo da muralha remonta ao século 11ºcom resquícios da fortificação ilírica (os ilíricos foram os primeiros a povoarem a região). A parte mais recente da muralha data do século 14º.

    Percorrer a pé toda a extensão da muralha é uma das experiências mais marcantes da visita a Kotor. A trilha da fortaleza que serpenteia a montanha, com seus 1340 degraus, passa pela igreja de Nossa Senhora a 110 metros e segue para ponto mais alto, o Forte San Joao (Sveti Ivan) a 280m. O percurso pode ser feito em aproximadamente 2 horas. A dica e subir de tênis, pois a trilha é irregular e com muitas pedras. Convém levar protetor solar, um chapéu e água, já que não há nada pelo trajeto. Ah, não se esqueça da câmera, porque a vista da cidade de Kotor e da baía,não pode ser descrita em palavras, ela deve ser sentida, experimentada, gravada na memória, para depois ser perpetuada em imagem.

    A visão lá do alto é estarrecedora. Os paredões da muralha, equilibram-se pelo aclive das encostas, convergindo para a cidade velha de Kotor,às margens da exuberante Baia BokaKotorska.

    Mas o espetáculo da paisagem não se restringe apenas sob a luz do sol. Ele supera a própria grandiosidade quando a noite cai e o reflexo das luzes da cidade, da muralha e da fortaleza, lá do alto no monte Sveti, deita-se sobre as águas espelhadas da baía, como se fosse a alma gêmea da velha Kotor, desenhando no mar o contorno de uma borboleta iluminada.
    O melhor local para se apreciar e fotografar essa delirante ilusão ótica noturna é da Vila de Muo, um antigo povoado de pescadores, que fica do outro lado da baia, a apenas 5 km de Kotor.

    Não importa a maneira como se chega ou o ponto de entrada a Montenegro, o visitante é brindado pela natureza intata, paisagens fascinantes, cidades medievais, edificações históricas, um ambiente descontraído e um povo pra lá de acolhedor.

    A cada entardecer, quando a noite vence a batalha com os raios do sol, o reflexo deKotor reaparece nas águas calmas da baía, como acontece há centenas de anos. Com a luz das antigas tochas ou da moderna eletricidade, ela brilha em dobro. A cidade recupera o silêncio e a tranquilidade para se olhar no mar espelhado e perceber que a sua beleza não tem idade. Aí, parece se perguntar: “Espelho, espelho meu, existe cidade mais bonita que e eu?” Quando a lua toma conta do céu, faz a sua parte emprestando um prateado ao cenário. Não há quem não se sinta hipnotizado por esse momento mágico. Até mesmo Napoleão deve ter se encantado com a noite na Baía de Kotorska.


    DICAS

    - Restaurante Nota 10 - Em Budva: Restaurante Porto - Peça o prato típico: PunjeneLigne (lula recheada).
    - Hospedar-se no povoado de Muo. Da janela do Hotel se tem uma esplendida vista noturna da cidade iluminada de Kotor e a fortaleza refletidas no mar.
    - Hotel em Muo – Euro Café-Localizado no waterfront é uma tradicional construção de pedra com quartos confortáveis e cozinha comunitária a preço bem razoável. O mais interessante é que os proprietários falam português, já que viveram em Portugal. E-mail do Euro café: lemaja1@t-com.me.


  • Peru - Linhas de Nazca: Enigmas de uma Civilização Avançada

    Márcia Pavarini
    Ao longo de vários anos Márcia Pavarini percorreu o mundo viajando por todos os continentes e até aos Pólos. Foi anotando suas aventuras em diários que, hoje, perfazem aproximadamente 5.000 páginas. Ela esteve, até agora, em 240 países, de acordo com o critério de contagem da Travelers Century Club TCC. Na Coluna “Diário das 1001 Viagens” Márcia Pavarini divide com os internautas, do Portal, as experiências vivenciadas durante suas andanças.

    + Dicas do Portal
    Imagem Dica do Portal: O filme: MIDSOMMAR - Mal Não Espera a Noite!
    + Espaço do Consumidor
    Imagem Locador de imóvel reclama a imobiliária de São José dos Campos o pagamento do IPTU atrasado
    + História
    Imagem 2018: Via Dutra completa 67 anos
    + Imigração Libanesa
    Imagem Casa São Jorge em 1943
    + Matérias
    Imagem Banca da NASA aprova missão de cubesat do INPE e ITA
    + Museu do Comércio e Indústria
    Imagem Bar Westen House
    + São José Solidária
    Imagem Banho é Vida
    + Seção Saúde
    Imagem Efeito benéfico do lítio observado em idosos com Alzheimer começa a ser desvendado

     
    Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados