Vista do Villa Branca Website Portal Jacareí Fanpage Portal Jacareí
Home | Cadastre sua Empresa | Créditos                                                                              Segunda, 17 de Junho de 2019
Logotipo Portal Jacareí
Acesso à página principal


  • Envie uma mensagem para Marcia Pavarini...
  • Outras matérias já publicadas...


    Ladakh: Um Shangri-lá Real - PARTE I

    PARTE I
    Texto e fotos de Márcia Pavarini

    Em seu romance “Horizontes Perdidos” o inglês James Hilton fala de um lugar situado entre as montanhas do Himalaya, com paisagens fascinantes, onde o tempo se detém num ambiente de paz, felicidade e sabedoria. A esse paraíso perdido deu o nome de SHANGRI-LÁ. Sonhadores e aventureiros tentaram em vão encontrar aquele local, que só existia nas páginas do seu livro.

    Mas nem tão irreal assim é essa ficção. Num lugar distante, situada no sudeste da Ásia central, dividida entre a Índia, o Paquistão e a China existe uma região que se encaixa como uma luva na descrição de Shangri-lá do escritor inglês. Ela se chama LADAK.

    Isolada do mundo, numa paradisíaca paisagem, exatamente entre as mais altas cadeias de montanhas do mundo, Ladakh parou no tempo ou, quem sabe, o tempo tenha parado para ela.

    O isolamento de Ladak não é apenas geográfico, mas também cultural e climático. Cercada por quatro cordilheiras: Himalaya, Zanskar, Ladakh e Karakoran com um clima extremamente árido, Ladakh fica ilhada pelo gelo e pela neve durante o rigoroso inverno. É a região habitada mais alta do mundo, o vale de Ladak fica a 3.500 metros de altitude.


    UM TIBET DENTRO DA ÍNDIA

    Apesar de pertencer à Índia na parte oriental, num formato de apêndice norte do país, a população nativa de Ladak descende dos mongóis com uma população de 132.299 habitantes, segundo dados de 1981.

    Durante a ocupação chinesa do Tibet e com a perseguição aos monges budistas pelos chineses, hordas de Tibetanos instalaram-se no vale de Ladak implantando suas comunidades, cultura, economia, religião e língua própria. Esse povo mantém até hoje as tradições e costumes do Tibet. Daí o isolamento cultural em relação à própria Índia e aos países vizinhos, Paquistão e China.

    Esse fato explica, também, a semelhança da arquitetura e dos monastérios budistas de Ladak com os do Tibet.  Ladak é a mais próxima experiência do Tibet na índia.

    A língua falada é o ladak, um dialeto tibetano. Os mais letrados falam, ainda, o hindi e o dialeto indiano de Kashmira. A maioria da população é Budista.



    LEH, UM VALE DE RARA BELEZA

    Leh, a capital de Ladakh, fica num vale de rara beleza. Banhada pelo rio Indu  é premiada pela fertilidade durante o efêmero verão, ainda que nesta estação possa nevar.

    O cultivo básico é o grim, uma variedade da cevada. O iaque e a cabra de Chang-Thang são os principais gados nativos. A região é rica em recursos minerais, embora grande parte ainda não tenha sido explorada.


    COMERCIANTES DE OUTRAS REGIÕES SÃO PROIBIDOS
    DE FICAR NA CIDADE DURANTE O INVERNO

    O inverno é tão rigoroso que só os locais têm o direito de permanecer na cidade e manter os seus negócios. Comerciantes de outras regiões, como os da Kashimira e de outras cidades são obrigados, por lei, a deixar Ladak.

    A água congela nos canos, falta eletricidade e o alimento fica escasso. A pequena cidade não tem infra-estrutura para receber a população flutuante durante o inverno. Os Hotéis fecham e os escassos turistas somem. A temporada vai de março a novembro.


    A maioria pobre dos habitantes de Ladak vive em porões de casas para agüentar o frio. Utilizam carvão para aquecimento, uma vez que não podem contar com a eletricidade e nem têm condições para pagar o aquecimento a gás.


    PREÇO DE BANANA


    A atividade comercial de Leh está concentrada na rua do Bazar principal, onde se compra artesanato, antiguidades, adagas, especiarias, pedrarias, bijuterias lindíssimas feitas em prata, cobre, coral, esculturas e as cobiçadas PASHMINAS, xales de finíssima lã, tudo a preço de banana.


    NÃO PERCA...
    Na próxima edição Parte II da matéria “LADAK: UM SHANGRI-LÁ REAL”,mostraremos a beleza da arquitetura tibetana em LEH, capital de LADAK, com seus monastérios e gigantescas estátuas douradas de Buda e, ainda, “KHARDUNG LA” o passo entre duas montanhas considerado o mais alto do mundo com acesso por estrada.



  • Ao longo de vários anos Márcia Pavarini percorreu o mundo viajando por todos os continentes e até aos Pólos. Foi anotando suas aventuras em diários que, hoje, perfazem aproximadamente 5.000 páginas. Ela esteve, até agora, em 220 países, de acordo com o critério de contagem da Travelers Century Club TCC. Na Coluna “Diário das 1001 Viagens” Márcia Pavarini divide com os internautas, do Portal, as experiências vivenciadas durante suas andanças.

     
    Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados