Vista do Villa Branca Website Portal Jacareí Fanpage Portal Jacareí
Home | Cadastre sua Empresa | Créditos                                                                              Segunda, 17 de Junho de 2019
Logotipo Portal Jacareí
Acesso à página principal


  • Envie uma mensagem para Marcia Pavarini...
  • Outras matérias já publicadas...


    Lalibela - O Santuário Cristão da Etiópia - Por Márcia Pavarini

    Texto e fotos: Márcia Pavarini
     

    Pense numa igreja. Imagine a mais espetacular que você já viu pessoalmente, em foto ou em filme. A tendência é pensar numa edificação a partir do nível do solo, certo?

    Mas existe um lugar, o único no mundo, onde 11 igrejas foram escavadas em rocha no século XIII, a partir do solo para baixo, ou seja, as edificações  ficam abaixo do nível da terra. A área era demarcada e fossos profundos de até 13 metros foram cortados ao redor livrando um gigantesco monólito, onde era esculpida a igreja.


    A penumbra das passagens e túneis que ligam uma igreja à outra, os afrescos, o som das canções e o cheiro de incenso nos transportam às dependências do paraíso.

    É em LALIBELA, cidade ao norte da Etiópia, onde ficam estes tesouros da arquitetura medieval africana. Ela é a segunda cidade mais sagrada da Etiópia,(a primeira é Aksun) e é um centro de peregrinação considerada a “Jerusalém da África”. A população de Lalibela é, em sua maioria,  composta de  ortodoxos cristãos.

    Cada igreja tem a presença mística de um religioso de turbante e vestimentas longas, empunhando um bastão com uma rebuscada cruz de bronze no alto.  A mais impressionante é a Bet Gyiorgis, Igreja de São Jorge, com cerca de 800 anos de idade. Construída em forma de cruz, é cercada por um fosso seco que a separa das outras igrejas. No interior de cada igreja há réplicas de baús que representam a Arca perdida. O santuário cristão de Lalibela é considerado a “Nova Jerusalém” pelos peregrinos.



    Quando se fala em Etiópia logo se pensa em fome, pobreza e flagelo humano. Na verdade, essa é a face trágica do país, mas o outro lado da medalha é que a Etiópia é um país de cultura e monumentos de um valor inestimável. Além do santuário cristão de Lalibela, tombado pela UNESCO como patrimônio da Humanidade, a Etiópia tem uma das histórias mais antigas do mundo. Segundo descobertas recentes, a espécie Homo Sapiens (nossa espécie) seria originária dessa região.

    A Etiópia localiza-se no leste do continente africano, na região conhecida como chifre da África.   
    Sofreu influência colonial dos europeus, principalmente de Portugal, no século XVI, durante a época em que recebeu apoio militar para evitar a invasão muçulmana.

    26 de setembro
    Hoje, é a véspera do segundo dia mais sagrado da Etiópia, quando se comemora o chamado “FINDING CROSS” (a Cruz encontrada), festival trazido pelos gregos cristãos ortodoxos no século VI.

    Esse festival, celebrado anualmente no país já há 1.600 anos, comemora o descobrimento das escrituras que relatam como os fragmentos da cruz em que Jesus foi crucificado chegaram até a Etiópia.


    A comemoração leva milhares de fiéis cristãos à praça MESKEL para assistir à colorida procissão com desfiles onde os participantes usam vestes medievais das cruzadas enquanto, bispos ortodoxos, envergam batas bordadas e brocados . Centenas de sombrinhas  multicores completam a indumentária.

    A unidade cultural do país, no entanto, sobrevive a um autêntico mosaico de línguas, raças e religiões, que contribuiu para agravar os choques armados entre seus habitantes nos últimos anos do século XX.

    No caótico centro da Capital Adis Abeba, o trânsito  divide espaço com burrinhos carregados de cargas, que desviam dos pedintes enfermos e mutilados e famílias mendigas que vivem nas calçadas.

    Lalibela fica ao norte da Etiópia e é um centro de peregrinação considerada a “Jerusalém da África”. A população de Lalibela é, em sua maioria,  composta de  ortodoxos cristãos.

    Quem for à Etiópia não pode perder a cerimônia do café com pipoca, que é uma tradição local, já que a bebida foi descoberta por lá.
    Outros pontos imperdíveis são: O Festival do Finding Cross e a perigrinação religiosa às igrejas de Lalibela.
    A visita ao museu é imprescindível, pois lá está a múmia da hominídeo de de 3,5 milhões de anos.



  • Ao longo de vários anos Márcia Pavarini percorreu o mundo viajando por todos os continentes e até aos Pólos. Foi anotando suas aventuras em diários que, hoje, perfazem aproximadamente 5.000 páginas. Ela esteve, até agora, em 220 países, de acordo com o critério de contagem da Travelers Century Club TCC. Na Coluna “Diário das 1001 Viagens” Márcia Pavarini divide com os internautas, do Portal, as experiências vivenciadas durante suas andanças.

     
    Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados