Vista do Villa Branca Website Portal Jacareí Fanpage Portal Jacareí
Home | Cadastre sua Empresa | Créditos                                                                              Quarta, 22 de Maio de 2019
Logotipo Portal Jacareí
Acesso à página principal


  • Envie uma mensagem para Marcia Pavarini...
  • Outras matérias já publicadas...


    Cabo Verde - A África portuguesa a 3 horas e meia de Fortaleza - Por Márcia Pavarini

    "Aos fiéis internautas do Portal devo uma satisfação. Há alguns meses foi apresentada em minha coluna uma pesquisa para se saber sobre qual lugar deveria versar a próxima matéria. Cabo Verde, na África, venceu com 65% de votos. Lá fui eu marcar a passagem para o destino elegido. Porém, por motivos de força maior (quem não os tem?) só consegui viajar para aquele arquipélago em fevereiro deste ano. Razão pela qual só foi publicada agora. Leia a matéria e aproveite para descobrir as semelhanças e as diferenças com o Brasil, viver a magia das paisagens, a tranqüilidade das praias e a surpreendente face exótica da cultura caboverdiana, fruto da miscigenação entre portugueses e africanos. Tudo isso, a apenas três horas e meia de avião de Fortaleza. Espero que gostem". Márcia Pavarini



    País de língua portuguesa, Cabo Verde tem o sabor da África, o jeitinho de Portugal e o carnaval do Brasil



    "Olha a batata-doce, freguesa! Vai levar tomate, hoje? Está a bom preço!"

    Nem é preciso circular muito pelas ilhas do arquipélago para descobrir as semelhanças com a nossa cultura que, tal qual a do Brasil, é uma mescla de costumes e culinária, africanos e europeus.



    Caminhar entre as bancas de verduras e frutas tropicais é como percorrer o mercado livre de Salvador, Rio ou de qualquer outra cidade do nordeste brasileiro. O milho, o feijão, a mandioca, a  batata-doce, grão-de-bico,  frutos do mar, carne de porco  são ingredientes dos pratos mais populares das ilhas.


    O QUE SE VÊ POR LÁ?



    Praias paradisíacas, vulcões, salinas, praias selvagens de areias brancas e águas cristalinas, praias revoltas com ondas ideais para o surf e windsurf, dunas desérticas, oásis, montanhas imponentes, florestas tropicais e paisagens lunares, são algumas das surpresas que o arquipélago proporciona ao visitante.


    ONDE FICA ESSE PARAÍSO?

    Na encruzilhada de três Continentes, Europa, África e América, as  dez ilhas que compõem o arquipélago de Cabo Verde constituem um verdadeiro éden ancorado no meio do Oceano Atlântico entre o Ceará e o Senegal no oeste africano.

    Localizado a três horas e meia de Fortaleza ou de Lisboa, Cabo Verde é o país exótico não muçulmano mais próximo da Europa e do Brasil.

    Suas ilhas, dispostas em forma de elipse,  agrupam-se em dois conjuntos com relação aos ventos alísios: o do Barlavento, constituído pelas ilhas Boa Vista, Sal, Santa Luzia, Santo Antão, São Nicolau e São Vicente e o conjunto do Sotavento, formado pelas ilhas Brava, Fogo, Maio e Santiago.

    Cada uma delas tem identidade própria e se destaca pelos seus encantos, cores e sabores oferecendo  paisagem, relevo e clima diferentes.


    COMO É O SEU POVO


    A miscigenação entre portugueses e africanos desde o início da povoação do arquipélago, originou uma nova raça a "crioula" com forte identidade cultural, aonde se verifica mais uma africanização do europeu do que uma europeização do africano. Embora a língua oficial seja o português, a comunicação coloquial é o crioulo.

    Todas as noites  as casas de dança abrem as portas para quem quer  soltar a franga ao ritmo do samba, da lambada, do forró, estilos batizados com nomes diferentes, como a caladeira, o funaná, o batuque, cola-sanjon e talaia-baixo. E, olha que os crioulos têm um gingado de dar inveja aos cariocas.


    CARNAVAL BRASILEIRO EM CABO VERDE

    De Portugal, herdaram a "morna" que é uma espécie de fado, mas o nome de origem vem do verbo inglês "to mourn"(lamentar-se). Mas, se o fado de Portugal inspirou a "MORNA", o carnaval brasileiro inspirou a festa adotada com o mesmo nome, com desfiles de "escolas de batuque", fantasias e alegorias.


    ILHA MINDELO -  Animação cultural e diversão


    Mindelo, na Ilha de São Vicente, é uma das cidades mais bonitas e pitorescas de Cabo Verde. Encaixada entre o mar e um maciço rochoso é famosa pela animação cultural e pelas músicas ao vivo nas ruas e barzinhos.

    Para os amantes da noite, não faltam locais de divertimento. Pode começar por um saboroso jantar da cozinha caboverdiana e seguir pelos pubs e discotecas madrugada adentro.

    A saborosa culinária cabo-verdiana, os festivais religiosos e o artesanato de cada ilha compõem a impressão digital da cultura influenciada pelos portugueses que ali permaneceram até 1975.


    QUEM DESCOBRIU O ARQUIPÉLAGO?

    O arquipélago era desconhecido quando em 1460 dois navegadores a serviço da coroa portuguesa, António Noli e Diogo Gomes,  toparam com a ilha de Santiago. Pouco depois, nascia a primeira vila de Cabo Verde, batizada de Ribeira Grande, hoje, cidade Velha, ponto turístico imperdível.


    ILHA DE SANTIAGO - O Cérebro do Arquipélago onde guarda a sua história



    A vila prosperou rapidamente como entreposto comercial de tráfico negreiro e local estratégico para reabastecimento dos navios de passagem. Para garantir a soberania e proteger-se dos ataques dos corsários, entre eles Francis Drake, (1582 e 1585), Portugal tratou de construir o Forte de São Filipe, século XVI, que continua soberbo com os canhões apontados para a baía, dominando a paisagem no alto da colina. Com seu declínio em 1770, a capital e sede do governo passou para a cidade de Praia, onde continua até hoje.

    Rodeadas por prédios históricos e por modernas construções, as ilhas são ao mesmo tempo cosmopolitas e provincianas.


    ILHA SANTANTÃO - A ilha mais verde é o  PULMÃO do país


    Mas, se a Ilha de Santiago é o cérebro do arquipélago, onde guarda a memória de sua história e seus primeiros monumentos, a Ilha de Santo Antão é o pulmão dele.  Com 43 km de comprimento e 24 de largura, a ilha é rasgada por uma cordilheira com montanhas pontiagudas culminando num pico vulcânico, o Topo da Coroa, com 1979 metros de altitude.

    O contraste com a orla é tão grande que chega a ter uma diferença de até 15º graus de temperatura. O micro clima gerado pelos vales profundos favorece as plantações que são cultivadas em balcões nas encostas escarpadas dos morros verdejantes.


    A principal atração desta ilha, a mais verde de Cabo Verde, são as caminhadas a pé ou em carroça na zona das Ribeiras e a fenomenal visita ao trapiche de 400 anos, onde continua funcionando a destilaria de "grog" a cachaça artesanal típica. A paisagem exuberante e as vilas de pescadores são o cartão postal desta ilha.

    A área plana é tão escassa na Ilha de Santo Antão que não há lugar favorável para a construção de um aeroporto, por esta razão, o acesso a Santo Antão é feito por ferries(com uma hora de viagem). Os ferries partem da charmosa Baía de São Pedro, na ilha de São Vicente, ligando Mindelo a Porto Novo.


    VIAJANDO COM O PRESIDENTE DE CABO VERDE

    Foi num desses ferries que viajei com o Presidente e herói nacional da independência da República de Cabo Verde, o Sr. Pedro de Verona Rodrigues Pires, 74 anos, que costuma transitar entre as ilhas em vôos regulares ou barcos de passageiros, dividindo espaço com a população comum. Quebrando todos os protocolos, (para o desespero do seu assessor) o mandatário caboverdiano fez pose para o meu "clic" durante a travessia marítima e acabou me confessando que é amigo e grande admirador do Presidente Lula.


    ILHA DO FOGO - Ali pulsa o coração da ilha em forma de vulcão

    Continuando minha peregrinação pelas ilhas, voei para a Ilha do Fogo. Dizem que o coração do arquipélago pulsa nesta ilha. Quase no formato daquele órgão vital, o Fogo com 476km2 é, literalmente, um vulcão inteiro em atividade. No interior de sua extensa cratera de 8 km de diâmetro, ainda se sente o odor sulfuroso da última erupção ocorrida em abril de 1995. A subida ao Pico do vulcão, com 2.829 metros de altura, é uma experiência tão inesquecível que fica marcada "a fogo" na memória. A paisagem da ilha mostra duas partes distintas: a sul, seca e árida, a norte, úmida e fértil. Para os adeptos da espeleologia a Ilha do Fogo proporciona itinerários de grutas, cavernas e fontes de água subterrânea.

    ILHA DE BOA VISTA - A menina dos Olhos do arquipélago


    Se você ainda não está convencido de que Cabo Verde é um paraíso tropical ancorado no meio do Atlântico, espere pra ver a Ilha de Boa Vista, indiscutivelmente a menina dos olhos do arquipélago. Só a linha  de praias com dunas de areia branca de 55 km de extensão e um marzão cristalino de cor turquesa já seriam motivos suficientes para se visitar a ilha. Ali, o silêncio do deserto é nocauteado pelo burburinho das ondas.


    A suavidade dos oásis de tamareiras e lagoas é temperada pelas  salinas que deixam o solo branquinho como se fosse neve. Dois dos passeios mais excitantes são as caminhadas até o Rabil, partindo de Sal Rei e a praia de Chaves seguindo pelas dunas, através da praia do Estoril, entre os oásis de tamareiras que adornam a ondulação dos areais.


    O litoral da ilha de Boa Vista pode ser escarpado com aparência inacessível ou formado por praias calmas e desertas, onde as únicas pegadas são as das tartarugas. Especialistas afirmam que é nesta ilha que se encontra a quarta maior colônia de tartarugas do mundo.

    Sucessivos naufrágios, bem próximos da costa, fizeram do local um excelente ponto de mergulho exploratório em destroços. Devido à boa qualidade do sal desta ilha, em 1620 os ingleses estabeleceram-se em Povoação Velha para explorar economicamente este recurso natural. Hoje, a maior fonte de arrecadação da ilha Boa Vista é o turismo.


    Luxuosos resorts já fazem parte da paisagem, misturando-se às dunas e tamareiras como o Resort Venta Club.


    ILHA DO SAL - Ondas perfeitas para surf e Wind surf



    Pra quem gosta de um programa mais temperado, a Ilha do Sal é o paraíso dos esportes radicais aquáticos. A categoria das suas ondas levou o local a sediar campeonatos mundiais de surf e windsurf. Mas nem sempre a ilha foi a Meca desses esportes. Durante muitos séculos, devido à sua aridez, a ilha serviu de pastagem para rebanhos de cabra e de abrigo dos escravos que exploravam as salinas. Hoje, o Sal é a ilha do arquipélago onde o turismo está mais desenvolvido. Mas o negócio é trocar a prancha por um tênis e explorar mais o interior da ilha. A visita à Buracona, uma fantástica piscina natural cavada na lava negra e à Salina de Pedra de Lume são imperdíveis. Esta última ocupa o bojo de uma cratera de vulcão extinto, cujas paredes porosas permitem a infiltração da água do mar. O acesso faz-se por um túnel artificial construído em 1804.


    ILHA BRAVA - Praias selvagens

    As emoções não param por aí. Uma ilha de temperamento forte é a Brava. De relevo acidentado, orla marítima escarpada e mar bravio, a Brava proporciona caminhadas em paisagens selvagens e desertas. A topografia couraçada e a inacessibilidade natural afastaram-na dos ventos da transformação tornando-a isolada. O turismo na ilha é compatível com um perfil solitário do visitante.


    ILHA DE MAIO - Tranqüilidade sem mácula

    Já o turismo na ilha de Maio é incipiente, mas a recompensa é que nela respira-se uma tranqüilidade sem mácula. Santa Luzia é a única ilha desabitada de Cabo Verde. Em 1990 foi declarada  patrimônio público e reserva natural do Arquipélago.

    Em meio a um cenário marcado por contrastes, geográficos e culturais, Cabo Verde brinda o visitante com seus encantos e mistérios reservando incontáveis emoções para quem deseja inebriar-se com os aromas, deliciar-se com os sabores e desbravar suas belezas naturais.

    Andando pelas ruas de Cabo Verde, às vezes dá pra pensar que se está no Brasil, outras, acha-se que se está na Europa, mas não se esqueça é a África, então, aproveite para descobrir as semelhanças, as diferenças, viver a magia das paisagens, a tranqüilidade das praias e a surpreendente face exótica da cultura, porque sempre há muito o que se aprender.


    CURIOSIDADES

    Aldeia dos "Rebelados" - Os Rebelados fazem parte de uma minoria que vive em condições de semi-clandestinidade e à parte da sociedade. O isolamento total da civilização faz com que os rebelados preservem as tradições culturais. O movimento foi fruto de revoltas espontâneas em oposição ao catolicismo Português e à administração colonial na década de 40. Ainda hoje, os integrantes não têm contato com a população, vivem em casas de sapé, sem eletricidade, valem-se da medicina natural, não professam nenhuma religião. Trabalham na terra em comunidade, não mantém contato com estranhos e recusam-se em lidar com dinheiro. Quem entrar na aldeia sem autorização será atacado.

    Gastronomia - A base da cozinha cabo-vediana, além dos frutos do mar, é o milho que, preparado de diferentes maneiras, acompanha, normalmente, a carne de porco, o feijão, a mandioca e a batata-doce. Os pratos mais populares são a "CACHUPA", receita emblemática de Cabo Verde,(uma espécie de feijoada com grão de bico), o cuscuz, o xerém,  os pastéis de milho, sem esquecer o famoso grogue local (cachaça artesanal) e os licores caseiros.

    COMO CHEGAR

    Vôos da companhia aérea TACV (Transportes Aéreos de Cabo Verde)partem 2 vezes por semana (aos sábados e domingos) de Fortaleza.


    Fonte: Márcia Pavarini




  • Ao longo de vários anos Márcia Pavarini percorreu o mundo viajando por todos os continentes e até aos Pólos. Foi anotando suas aventuras em diários que, hoje, perfazem aproximadamente 5.000 páginas. Ela esteve, até agora, em 220 países, de acordo com o critério de contagem da Travelers Century Club TCC. Na Coluna “Diário das 1001 Viagens” Márcia Pavarini divide com os internautas, do Portal, as experiências vivenciadas durante suas andanças.

     
    Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2005 - Todos os direitos reservados